AICI | A psicologia como aliada na construção da identidade visual
14519
single,single-post,postid-14519,single-format-standard,edgt-core-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hudson child-child-ver-1.0.0,hudson-ver-1.4,vertical_menu_enabled, vertical_menu_left, vertical_menu_width_290,smooth_scroll,side_menu_slide_from_right,blog_installed,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.1,vc_responsive
Newsletter -
set 30 2018

A psicologia como aliada na construção da identidade visual

 

Como anda sua saúde mental?

A pergunta parece estranha ou um tanto invasiva? Posso até concordar, mas atentar para este aspecto de nossa vida poderá ser de suma importância para garantir, dentre outras coisas, a qualidade do nosso trabalho.

E em se tratando de consultora de imagem, ampliamos esse olhar para entender conceitos imprescindíveis na condução do atendimento ao cliente. Entenda melhor na entrevista com Wiwi Parra.

 

1- O que é saúde mental? 

É a capacidade de tomar decisões com relação a própria vida. Organizando-se interiormente e o que está em volta. De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OMS), o conceito de saúde vai além da mera ausência de doenças. Na verdade, só é possível ter saúde quando há um completo bem-estar físico, mental e social de uma pessoa. Diversos fatores podem colocar em risco a saúde mental dos indivíduos; entre eles, rápidas mudanças sociais, condições de trabalho estressantes, discriminação de gênero, exclusão social, estilo de vida não saudável, violência e violação dos direitos humanos.

 

2- “Auto imagem” é uma expressão muito utilizada por nós, profissionais de consultoria. Pelo olhar da psicologia você poderia definir esse conceito?

A palavra autoimagem pela Psicologia é o conhecimento que fazemos de nós mesmos, como sentimos nossas potencialidades, sentimentos, atitudes e ideias. De acordo com Mosquera  (1983, cit in Mosquera, & Stobüs, 2006) considera a autoimagem como o (re)conhecimento feito por cada um de nós sobre as nossas capacidades, sentimentos, atitudes e ideias, da forma mais transparente possível. Ou seja, podemos dizer que a autoimagem diz respeito ao que vemos em nós, ao que entendemos como capacidades nossas e aquilo que somos na verdade, que nos permitem observar-nos a nós e aos outros de forma global (Mosquera, & Stobaus, 2006).

De acordo com estes estudos, a autoimagem está diretamente relacionada com a autoestima, já que ambas fazem parte do processo de construção da personalidade, interinfluenciando-se entre si, o que permite que o indivíduo adquira coerência e consistência individual (Mendes et al, 2012).

É importante perceber que a autoimagem junta a organização mental que a pessoa faz de si mesma, o que significa que tem uma parte real e outra mais subjetiva (Mosquera, & Stobäus, 2006).

Autoimagem: é como um ‘espelho interno’, refletindo o que você pensa, sente e vê sobre si mesmo. O que você pensa, sente e vê sobre si mesmo gera comportamentos coerentes, congruentes, fazendo com que você se comporte da forma idealizada. Ela então determina seu desempenho no presente, caracterizando a forma como se vê neste momento.

 

3- Na nossa profissão a “aparência” tem um peso muito grande quando o assunto é a construção da imagem. Como a psicologia pode nos ajudar a ampliar esse conceito? 

Entendendo que é  muito comum que pessoas insatisfeitas com sua “aparência física” busquem os consultórios de Psicologia. Isso acontece pelo fato de se encontrar instituído na sociedade, estereótipos que definem os padrões, mais aceitos, da aparência física.

Padrões tais como: peso, estatura, cor de pele, tamanho de busto, nº de calçado, entre outros, acabam por deixar algumas pessoas fora dessas especificações. Por não apresentarem tais características, estas pessoas tornam-se insatisfeitas consigo mesmas e desenvolvem uma série de dificuldades e bloqueios que acabam por interferir sobremaneira na sua vida pessoal (emocional, escolar, sexual, profissional). Acabam por adoecer psicologicamente.

É na psicoterapia que a maioria encontra o apoio e resgata o equilíbrio necessário para a autoaceitação. Uma vez que elas sentem a “diferença” que apresentam como uma coisa extremamente negativa, passam a não acreditar no seu potencial geral. Julgam-se, desvalorizam-se e impedem o desenvolvimento de talentos ou qualidades que, por certo, possuem e, devido a uma preocupação da sociedade com a aparência externa, tendem a inibir outros aspectos importantes que fazem parte de sua pessoa.

Muitas vezes a desejo desenfreado por uma aceitação social gera problemas tão importantes que levam essas pessoas ao total desequilíbrio, como em casos da busca pela magreza, que traz como conseqüências drásticas, a bulimia e a anorexia, as cirurgias plásticas e lipoaspirações desnecessárias que levam à morte prematura.

Nesse sentido, o apoio da Psicologia, através da psicoterapia, é fundamental para que tais pessoas possam obter a reestruturação da personalidade passando a se reconhecerem, não somente por seus aspectos exteriores, mas valorizarem-se quanto a outros que são mais importantes do que aqueles cultuados por uma sociedade mutante, e desta forma, buscarem o seu lugar no mundo real.

 

4- Haveria um “termômetro” para que o consultor de imagem pudesse entender se há no seu cliente questões que não poderão ser solucionadas por ele quando o assunto é construção da Identidade Visual e o trabalho parece não fluir?

O que o Consultor de Imagem precisa ter como referência é se na fala de seu cliente envolve alguma queixa emocional, como tristeza, desmotivação, se atentar para falas do tipo como: “Não sinto vontade de me arrumar porque não vejo graça na vida ultimamente, “estou passando por uma fase difícil na minha vida conjugal”, “estou passando por um problema familiar sério, estresse por estar cuidando de pessoas doente e por aí vai.

É neste momento, que o profissional deve ter a destreza de direcionar, recomendar que seu cliente ou futuro cliente vá buscar ajuda por meio de um processo de psicoterapia. Porque a desmotivação, a baixa autoestima, podem ser sintomas provenientes de N causas de problemas vinculadas a saúde mental como: depressão, burnout, síndrome do pânico, estresse agudo, transtorno de ansiedade e etc.

Caso a pessoa realmente esteja nessas condições, é necessário que a mesma esteja em tratamento para que possa absorver de forma funcional e positiva o trabalho do consultor de imagem.

 

Wiwi, você gostaria de acrescentar algo que pudesse agregar ao nosso trabalho?

O trabalho da consultoria de imagem tem um papel relevante na construção da identidade visual e virtual do indivíduo. A partir da  exploração de elementos, formas e linguagens à obter uma melhor tradução do seu SER, por meio de um processo investigativo, curioso, artístico, leve comunicando sua personalidade, valores e interesses. Proporcionando uma melhor interação deste consigo, com os outros e com o ambiente. Viver em Harmonia!


wiwii

Psicóloga, especialista em Recursos Humanos com experiência de 15 anos em Treinamento & Desenvolvimento Organizacional em grandes empresas nacionais e internacionais. Desenvolve palestras sobre desenvolvimento (humano/profissional) e sobre a saúde mental em organizações. Psicoterapeuta com abordagem na Terapia Cognitivo Comportamental para jovens e adultos. Desde 2016 dedica estudos na área de Saúde Mental e Mindfulness, fazendo sua formação profissional em Mindfulness Based Cognitive Therapy e Titulação em Neuropsicologia.

0 Comments
Share Post
No Comments

Post a Comment